28 de dezembro de 2005

REVIEW
The Descent

Image hosted by Photobucket.comAno: 2005
Realizador: Neil Marshall
Actores: Shauna MacDonald, Natalie Mendoza

Não conhecem o realizador? Nem as actrizes? Natural, fiquem sabendo que, antes deste filme, o realizador Neil Marshall tinha feito..... uma bela mão cheia de nada que se conheça ou que se tenha ouvido falar.

E, no entanto, quando vemos os punheteiros Hollywoodescos acéfalos a sacar filmes de sustos (que não thrillers) a cada quarto crescente, ficamos duplamente agradecidos por esta verdadeira bufa de ar fresco no campo do terror.

Sarah é uma radical que, em conjunto com algumas amigas, gosta de fazer merdas maradas como rafting, rappel ou exploração de grutas (cujo nome agora não me vem à caquética memória). Provavelmente também será uma ganda maluca na cama mas isto é um campo sobre o qual, infelizmente, o filme não se debruça.
No entanto, uma tragédia inimaginável atira-a para um estado quase catatónico. As amigas, preocupadas, decidem organizar uma expedição a uma gruta como forma de a arrancar do seu estado e de fazer retornar a vida a uma alma apática e sem mais razões para continuar na terra.

E é aqui, quando o filme ameaçava transformar-se num dramalhão, daqueles "casos da vida" gregoriantes de Terça à tarde que costumava dar na TVI, que se dá a grande e surpreendente volta. Uma vez lá dentro da gruta, as coisas complicam-se e ficamos até à última sem saber se as gajas conseguem de lá sair.

Isto porque, á medida que elas vão penetrando pela gruta, a sensação de claustrofobia e consequente terror provocado no espectador são ímpares e dão uma comichão no cu que vos vou contar. Além disso, para o meio do filme introduz-se um sub-enredo "à la Aliens" que poderia parecer forçado, mas que se torna natural para o filme não ficar aborrecido. As gajas lutam, desenvencilham-se, sempre com estilo, bem coreografadas, com uma boa música a acompanhar e excelente cinematografia, abusando saudavelmente dos negros e das pálidas cores das tochas que, a dada altura, ajudam a diferenciar os protagonistas.

Em resumo, os actores são competentes, o enredo é sólido como um calhau, os efeitos especiais são apenas os essenciais e indispensáveis (nada de fogo de artifício) e o realizador, esse, parece dominar os cânones do thriller de excelência desde sempre!

Um mimo de filme!

O melhor: A claustrofobia tremenda que provoca! Os calafrios, arrepios e comichões nervosas no cu! As protagonistas, todas elas competentes, em todos os aspectos. O realizador, que parece um veterano seguidor de Hitchcock, pela mestria com que aparenta dominar o género. O final, surpreendente. As grutas rugosas e minimalistas. As tochas de cores variadas, para diferenciar as meninas. E tantos outros detalhes...

O pior: Não haver mais como este. A possibilidade de haver algum "saca-gritos" Hollywoodesco a plagiar isto... depois queixam-se que a pirataria é que lhes anda a roubar a audiência. Foda-se, façam filmes de jeito! Arrepia-me ouvir falar em "The Caves" e merdas do género...

Classificação: 8/10

Sem comentários: