13 de janeiro de 2006

REVIEW
Proof

Image hosted by Photobucket.comAno: 2005
Realizador: John Madden
Actores: Gwyneth Paltrow, Jake Gyllenhaal

O novo filme de John Madden conta a história de Robert, um matemático brilhante que, infelizmente, está a ficar passado da cabeça. A sua filha, Catherine, parece ter herdado o génio do pai, mas também ela teme que, aos 27 anos, possa ter herdado a loucura do pai.

O filme divide aquilo que é imaginação do que é realidade e tem um trunfo inquestionável, que passa pelo argumento e pelos diálogos excelentemente trabalhados, que têm o dom de deixar na incerteza o espectador no que concerne à sanidade mental da pobre Catherine.
Aqui Gwyneth Paltrow triunfa em absoluto, com um papel surpreendente e convincentemente dramático, ela que me caiu sempre no goto com os seus papéis de eterna enjoada e rejeitada. O seu "parceiro", Jake Gyllenhall, que já mostrou provas em Donnie Darko, exibe aqui todos os seus dotes artísticos e mostra que este poderá ser o seu ano, se contarmos com os iminentes Jarhead e Brokeback Mountain, onde o poderemos ver, eventualmente, a levar no rabo. Aqui faço um parêntesis para me questionar sobre que tipo de espectadores irão ao cinema para ver um filme-western-gay, como parece ser o segundo acima citado. Mas pronto, isto são divagações de quem já está noutra dimensão.

De volta ao filme, a ideia que fica é que todas estas vedetas andam para lá a "saltitar", de cena em cena, tudo bem montado, bem estruturado... e no fim ficamos com um certo sabor "amorfo" na boca, talvez fruto de toda a envolvência predominantemente matemática que envolve o filme. Não há twists, não há saltos de alegria nem grandes desgraçãs. Porque, como todos sabemos, a matemática não é uma ciência que prime particularmente por uma transbordância emotiva... e o filme é um reflexo disso mesmo.

O melhor: A dualidade de interpretações da realidade, ou seja, a visão crua e objectiva de Catherine vs a visão materialista, fútil e vã da sua irmã.

O pior: A vontade que dá de esbofetear a supracitada irmã até lhe sair a tripa pela boca. Uma personagem muito bem concebida, pela sua futilidade e, por consequência, sumamente irritante!

Classificação: 6.5/10

Sem comentários: