11 de agosto de 2006

REVIEW
Tsotsi

Ano: 2005
Realizador: Gavin Hood
Actores: Presley Chweneyagae

Tsotsi é um puto manhoso que tenta sobreviver nos imundos bairros sul-africanos roubando, vandalizando e fazendo o que for preciso para passar mais um dia. No entanto, num dos seus roubos, Tsotsi acaba com um bebé nos braços e este novo lado de quase paternidade desperta uma nova humanidade no jovem rufia, que o vai levar a descobrir um novo lado de si.

O filme, por si, mostra bem aquilo que, normalmente, é um vencedor dos Óscares (no caso, Melhor Filme Estrangeiro). Aparentemente durão e implacável mas, no fundo, cheio de boas intenções e de uma mensagem de redenção no final. E é mais ou menos que este Tsotsi pretende ser, o que desvirtua um pouco aquilo que pensamos ser a África do Sul actual.
Não quer dizer que seja um pessimista por excelência ou que todos os filmes tenham que retratar a realidade tal como ela é. No entanto, há uma certa leveza no tratamento do tema e na situação cultural e social onde os protagonistas estão inseridos. Esta sensação estranha só é atenuada quando Tsotsi e o seu gang decidem assaltar casas de ricos. Aí sim, vemos realmente o quão mal se vive nos bairros pobres e o tremendo contraste que há com a minoria milionária que povoa esparsamente o território.

No fim, o climax leva a entender que algo poderá acabar mal, o que seria um reflexo real das constantes tensões raciais que grasam no território. Não obstante, acaba tudo em bem, um pouco em prol da mensagem de esperança que o filme pretende transmitir, aquela sensação de que pode existir salvação desde que haja vontade.

O melhor: Uma certa carga dramática, embora aparente ser algo errática e mal dirigida.

O pior: Fica a ideia que é um filme demasiado light para aquilo que sabemos ser o quotidiano sul-africano.

Classificação: 5/10

Sem comentários: