28 de maio de 2007

REVIEW
Zodiac

Ano: 2007
Realizador: David Fincher
Actores: Jake Gyllenhaal, Robert Downey Jr.

No ansiado regresso de David Fincher à realização, 5 anos depois de Panic Room, o mesmo escolheu a história verídica de um assassino que, nos anos 70, espalhou o terror na costa Oeste dos Estados Unidos, com várias mortes que, até hoje, ainda permanecem por desvendar.
Consta-se até que Fincher, além de se basear no livro de Robert Graysmith para fazer este filme, conseguiu reunir mais de 1300 páginas de material sobre o Zodiac que, se espera, possam ser incluídas numa posterior edição em DVD.

Digo isto porque, após ver o filme, fiquei com uma imensa vontade de comprar o livro acima referido o que, por si só, e a melhor avaliação que podemos fazer do filme. Pensem no Seven, mas de forma um bocadinho diferente. Onde a primeira obra era um prodígio argumentativo sem precedentes e com um dos finais mais bombásticos de sempre da 7ª arte, este aqui é uma história rigorosa, metódica e complexa de uma investigação que durou vários anos e consumiu os recursos e as mentes de dezenas de polícias e jornalistas, apenas para terminar sem um fim definido.

Obviamente que se sabe que o verdadeiro Zodiac nunca foi encontrado (ou pelo menos saberão aqueles que já viram ou leram alguma coisa sobre o filme), e isso constitui quase um anti-clímax para o mesmo, pois todos já saberemos como é que aquilo vai acabar. No entanto, parece-me que nunca foi essa a intenção de David Fincher ao realizar isto, mas sim dar uma visão histórico-documental-cinéfila (que é sempre uma fusão muito difícil de conseguir) que avivasse o interesse do público para um dos mais misteriosos "unsolved cases".

E Fincher mostra, realmente, o quão talentoso é, pois pega no filme de uma forma que, como se disse, não descola o espectador do écran, não obstante as duas horas e muito de duração, diálogos, mais diálogos, inquéritos, questionários, pistas (falsas), mandados de busca, complexidades, burocracias, jurisdições e outras merdas que tais que, muitas vezes, só f*dem mesmo é a vida à polícia.

Tem alguma piada que o filme, pela fotografia e pela temática que empregue, faça lembrar tanto essa obra prima de Fincher que foi Seven mas, mais uma vez, volto a frisar que quem se ancorar nesse paralelismo para apreciar esta película bem que vai bater com os cornos na parede, pois acabam por ser coisas completamente diferentes, apenas encontrando simetria no competente homem que está por trás da câmara.

Ou seja, tanta merda para dizer que... vão ver, sem demoras. Porque, mesmo sabendo o final, o filme deixa muita comichão no estômago!

O melhor: O rigor de todo o filme e a qualidade dos diálogos.

O pior: Pode desagradar a todos aqueles que gostam de ver os filmes com um final bem definido e que gostam dos crimes resolvidos em menos de uma hora.

Veredicto: Case-study cinéfilo de um assassino por desvendar.

Classificação: 8/10

Sem comentários: