18 de julho de 2007

REVIEW
Bobby

Ano: 2006
Realizador: Emilio Estevez
Actores: Sharon Stone, Demi Moore, Martin Sheen, Anthony Hopkins e um largo carrilhão de vedetas

O filme pode ser, como apregoado, considerado um triunfo pessoal de Emilio Estevez, se calhar o último bastião de uma família dilacerada por vários problemas e onde apenas o pai Martin Sheen se parece safar, visto que Charlie Sheen desapareceu em combate e de Lorenzo Lamas, esse suposto grande ex-sex-symbol... nem se fala.
Diz-se que Emilio Estevez hipotecou tudo e mais alguma coisa para fazer este filme. Não me admira. Desde logo, a começar pelo impressionante casting que conseguiu juntar para, no Hotel Ambassador, contar várias histórias que se cruzam na fatídica noite em que Robert F. Kennedy ali seria assassinado.

Confesso que conhecia muito pouco do personagem central da história mas, aparentemente, o mote continua a ser o mesmo. Os Kennedys, uma família política q.b. que poderia ter dado outro rumo à América que não fosse aquele pestilento que é seguido actualmente, são altamente azarados e caem todos que nem tordos, e geralmente bem mais cedo do que deviam.

No que ao filme concerne, interessou-me mais os discursos reais e de valor quase documental de Kennedy que Emilio Estevez sabiamente salpicou pelo filme do que as histórias algo desconexas e desinteressantes dos personagens que deambulam pelo hotel, e que valem apenas pelo excelentíssimo naipe de actores que as interpretam. Dei por mim a perguntar: "Mas o homem nunca mais morre para eu ver a moral que o Emilio tira deste filme??", o que obviamente não é bom para o mesmo, enquanto veículo cinéfilo que leva as pessoas às salas de cinema (ou aos leitores de DVD, no caso) em busca de um bom entretenimento.

Infelizmente (ou talvez não), o cinema já deixou de ser apenas isso, e tornou-se, sempre que possível, numa forma privilegiada de passar mensagens e de abrir mentes e olhos para problemas que, de outra forma, se poderiam perder no meio do amorfismo de parte da população actual... Por isso, um pequeno "bravo" para Emilio Estevez por mostrar, acima de tudo, o quão actuais ainda são as palavras de Kennedy e o jeitaço que ele faria à política americana actual....

O melhor: A mensagem de Kennedy, pungente de actualidade.

O pior: Dar a impressão que todo o filme é para encher chouriços.

Classificação: 6/10

Sem comentários: