15 de junho de 2009

REVIEW
Let the Right One In

Ano: 2008
Realizador: Tomas Alfredson
Actores: Kare Hedebrandt, Lina Leandersson

Um conto de vampiros contemporâneo e, ainda por cima, nórdico só pode ser uma coisa boa. Bem, não será bem assim, mas visto que Hollywood continua a injectar-nos nas veias merdascas estupidificantes a granel, sabe sempre bem uma lufada de ar fresco num género estafadíssimo como é a temática vampiresca.

E isso é aqui conseguido aliando a mitologia supracitada a uma história de amor adolescente entre um jovem que sofre na pele com o bullying e uma rapariga estranha que mora ao lado dele que, vem-se a saber, é uma vampira sedenta que se apaixona pelo nosso protagonista e que tenta ensiná-lo a defender-se, ao mesmo tempo que controla os seus crescentes (e naturais) impulsos para lhe querer cravar as dentolas no pescoço.

O que torna, realmente, este filme interessante é a tentativa de o fazer real, como se, em cada esquina pudesse existir uma pequena vampira ostracizada, que tem que se conter para não ser descoberta, continuando assim a alimentar os seus apetites em surdina, na calada de uma qualquer fria noite sueca. E esse é o maior defeito do filme, essa tentativa de realismo poético, que é exacerbada em longos planos à lá Gus Van Sant da neve, das árvores, das casas, com cada um deles a durar uns 30 segundos e a aborrecer o espectador de morte. Também há personagens que não interessam minimamente, mas tudo parece ficar esquecido quando observamos a densidade da interacção entre os dois jovens protagonistas, que constitui o grosso do interesse do filme e dá uma poesia e uma luz muito peculiar ao filme, pela forma como alia a aproximação entre eles ao misticismo que está associado aos vampiros (como, por exemplo, o facto de "ela" só poder entrar em casa dele se tiver sido convidada).

Tudo o resto... é paisagem (e bem monótona, por sinal).


O melhor: O "vampirismo contemporâneo". O final, igualmente poético e gore.
O pior: É quase um filme conceptual, o que vai levar muita gente ao desespero.
Classificação: 6.5

Sem comentários: